GRANJA ENTRE O ABISMO, O DESASTRE E O CAOS.


De uns tempos pra cá as coisas em nossa cidade que já andavam pra lá de nebulosas, tomaram rumos tempestuosos, lastimáveis e revoltantes. De uma hora pra outra uma chuva de informações, denúncias e desmandos chegaram à tona ao público granjense, impossibilitando mesmo aos mais fanáticos políticos a criarem diálogos defensivos e justificáveis. O mais plausível pra alguns de repente, foi calar-se, e para outros que tentaram ''limpar-se'', conseguiram apenas 'asneirarem' absurdos.

Recentemente a  nobre vereadora Rosa Helena criticou o aliado ideológico e político, o prefeito Hélio Fontenele pela falta de merenda escolar no município, mas disse-se aliviada quando foi comunicada pela administração que em agosto a merenda estaria disponível. Mas "peraê"?. Em agosto? Ou ela acha que as crianças não necessitam de alimentação, ou acha que os alunos são robôs.

A falta de dinheiro também foi a justificativa aplicada pela prefeitura para suspender o combate a dengue em nosso município. Sendo que cerca de R$ 1 milhão vão anualmente pelo esgoto para suprir pagamentos de funcionários fantasmas, que de fantasmas não tem nada, já que estão bem vivos para usufruírem do dinheiro público. Se um milagre não acontecer para mudar de vez essas situações cada vez mais constantes, restara-nos poucos caminhos, o abismo, o desastre ou o caos.

A Redação do Gth

Comentários

Postagens mais visitadas